Skip to Content

Seguranças que torturaram menores não serão indiciados

  • user warning: Table 'ranp3.scheduler' doesn't exist query: SELECT * FROM scheduler WHERE nid = 10400 in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/scheduler/scheduler.module on line 497.
  • warning: Parameter 2 to genericplayers_swftools_flashvars() expected to be a reference, value given in /data_cpro6462/ranp/public_html/includes/module.inc on line 476.
  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 0.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 0.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 0.

Está faltando algum conteúdo do Flash que deveria aparecer aqui. Talvez seu navegador não possa exibi-lo. Instale a última versão do Flash em seu computador, ou atualize sua versão.

(1’56” / 456 Kb) - Os advogados dos menores torturados por seguranças em uma loja da rede de hipermercados Extra, na cidade de São Paulo, pedirão ao Ministério Público Estadual a abertura de uma investigação independente para apurar o caso. O delegado responsável decidiu não indiciar nenhum dos três acusados.

No mês de janeiro, os três garotos foram conduzidos a uma salinha, suspeitos de cometerem furtos. Um deles possuía nota fiscal dos biscoitos e refrigerante que levava consigo. Mesmo assim, foi ameaçado com uma faca. Os outros dois foram agredidos fisicamente.

Para advogado Dojival Vieira, que representa um dos menores, “o papel da Polícia é investigar e não inocentar”. Em julho, o cliente de Dojival recebeu uma indenização de R$ 260 mil, paga pelo Grupo Pão de Açúcar. No entanto, ele lembra que o acordo com a família não havia descartado a possibilidade de processos criminais contra os envolvidos.

“O grande temor é que o Grupo Pão de Açúcar continue adotando essa postura de não assumir integralmente sua responsabilidade civil com a indenização de todas as vítimas e não de apenas uma criança. Mas também é fundamental que não se permita que a impunidade prevaleça.”

Após acareação na delegacia, dois dos seguranças foram reconhecidos. Trata-se de Marcos Koshimizo Ojeda e Jeferson Alves Domingos.

O inquérito policial apurou a possibilidade de ter ocorrido constrangimento ilegal, cárcere privado e injúria racial – já que um dos funcionários do Extra utilizava a expressão “negrinho sujo e fedido” ao se dirigir aos menores. As vítimas afirmam terem sido obrigadas a abaixar a roupa para provar que não levavam nada escondido.

Este e outros casos de racismo e tortura contra clientes negros no comércio varejista serão discutidos em uma Audiência Pública, no próximo dia 6 de dezembro. O encontro ocorre na cidade de São Paulo e é promovido pelo Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana (CONDEPE/SP).

De São Paulo, da Radioagência NP, Jorge Américo.

30/11/11