Skip to Content

Para aonde vai a economia brasileira

  • warning: Parameter 2 to genericplayers_swftools_flashvars() expected to be a reference, value given in /data_cpro6462/ranp/public_html/includes/module.inc on line 476.
  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

Está faltando algum conteúdo do Flash que deveria aparecer aqui. Talvez seu navegador não possa exibi-lo. Instale a última versão do Flash em seu computador, ou atualize sua versão.

*Guilherme C. Delgado

4'22''/ 1 Mb)  - Os ventos do terceiro trimestre de 2011, conforme dados apurados pelas Contas Nacionais do IBGE, esfriaram os ânimos do crescimento econômico, revelando relativa estagnação industrial e dos serviços, com crescimento trimestral em termos reais entre 0,3% e 0,1% relativo ao trimestre anterior. No conjunto o PIB cresceu 0,5% sobre o segundo trimestre.

O País ainda concluirá o ano civil com crescimento ‘razoável’ de 3%.a.a, comparado ao desempenho internacional atual que está bem abaixo, principalmente na Europa; mas enfrentará 2012 com os vários problemas oriundos da recessão mundial, que já se manifestam também na economia brasileira.

Os dados empíricos de curto prazo, contudo, dizem pouco sobre os rumos  da economia brasileira relativamente àquilo que as pessoas sentem como “necessidades básicas”.Mas os rumos efetivos são estabelecidos pelo arranjo de política econômica, no seu sentido conjuntural; e pela estratégia de economia política no sentido clássico dos interesses contemplados na produção e repartição do bolo econômico.

Por sua vez, conquanto o crescimento econômico contenha armadilhas à equidade social, o não crescimento, para um País que amargou duas décadas recentes de semi-estagnação (1983-2004), é algo que a sociedade que a sociedade observa com grande desconfiança.

A bem da verdade, a política econômica de conjuntura, quase que por estado de necessidade, precisa sinalizar e conduzir um crescimento mínimo  no entorno dos 3% a.a. para 2012, sob pena de provocar uma cadeia negativa de mais  problemas no emprego, na distribuição  da renda pela política social, e também no precário equilíbrio externo (algo meio desequilibrado pela natureza das nossas relações estruturais).Por seu turno, a meta de inflação não é a prioridade quando a economia entra em processo de desaceleração.

Não é por acaso que o Banco Central até que enfim vem conduzindo uma trajetória de queda na taxa de juros SELIC, e que a Presidente Dilma, lembrando neste caso pronunciamento anterior do ex-presidente Lula em 2008, incentiva as famílias ao consumo corrente como antídoto à recessão.

Por outro lado, um dos motores que de certa forma conduziu a economia para uma nova inserção externa nos anos 2000, quando quadruplicaram as exportações – as chamadas “commodities agrícolas e minerais, parece em franco processo de desaquecimento. Daí que a estratégia de longo prazo de crescimento, apoiada no comércio exterior de primários e no ingresso abundante de capitais semi-especulativos, também enfrentará os refluxos  recessivos  oriundos da crise externa.

O tempo presente é oportuno para refletir sobre o futuro, especialmente sobre o futuro próximo, que nos imporá mudanças, quando tudo indica - teremos baixo crescimento.

Quais necessidades básicas priorizar e como fazê-lo, no contexto de uma estratégia para enfrentar uma crise capitalista de longa duração, é provavelmente um debate que precisamos fazê-lo com a maior urgência.

*Guilherme Delgado é doutor em Economia pela Unicamp e consultor da Comissão Brasileira de Justiça e Paz.

22/12/11