Skip to Content

Situação de imigrantes haitianos no Acre é grave, alerta governo estadual

  • warning: Parameter 2 to genericplayers_swftools_flashvars() expected to be a reference, value given in /data_cpro6462/ranp/public_html/includes/module.inc on line 476.
  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

Está faltando algum conteúdo do Flash que deveria aparecer aqui. Talvez seu navegador não possa exibi-lo. Instale a última versão do Flash em seu computador, ou atualize sua versão.

(1’28” / 345 Kb) - A situação humanitária dos mais de mil imigrantes do Haiti que se encontram no estado do Acre é apontada como grave pelo governo local. Somente em Brasileia, município de 30 mil habitantes, vivem atualmente cerca de 1.250 haitianos. Segundo o secretário de Justiça e Direitos Humanos do estado, Nilson Mourão, a situação está caótica e o governo federal precisa dar apoio financeiro e auxílio profissional para resolver o problema.

O secretário afirmou, em entrevista à Agência Brasil, que até o momento o estado recebeu apenas 14 toneladas de alimentos doados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Os maiores problemas na assistência aos imigrantes estão no fornecimento de alimentos e abrigos. Outra questão é a falta de pessoal especializado para cuidar dos casos de vacinação e triagem de saúde.

Dos mais de mil haitianos em Brasileia, somente 260 possuem a documentação regularizada e podem seguir viagem para outros locais. Os imigrantes desse país estão recebendo “vistos humanitários”, com os quais eles podem trabalhar e ter acesso a serviços de saúde e educação. Mais de 1,2 mil pessoas receberam essa autorização. Porém, os pedidos de refúgio, que foram todos negados, ultrapassam os três mil casos. A onda migratória de haitianos ao Brasil iniciou em 2010, após o terremoto que devastou o país.

De São Paulo, da Radioagência NP, Vivian Fernandes.

03/01/12