Skip to Content

Maria da Penha gerou média de 100 mil procedimentos judiciais por ano

  • user warning: Table 'ranp3.scheduler' doesn't exist query: SELECT * FROM scheduler WHERE nid = 11963 in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/scheduler/scheduler.module on line 497.
  • warning: Parameter 2 to genericplayers_swftools_flashvars() expected to be a reference, value given in /data_cpro6462/ranp/public_html/includes/module.inc on line 476.
  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

Segundo a CPMI, entre 2000 e 2010, 43,7 mil mulheres foram assassinadas. Cerca de 40% delas perderam a vida em suas próprias casas, muitas vitimadas pelos companheiros ou ex-companheiros. 

Está faltando algum conteúdo do Flash que deveria aparecer aqui. Talvez seu navegador não possa exibi-lo. Instale a última versão do Flash em seu computador, ou atualize sua versão.

/violencia-contra-a-mulher-marcha-mundial-das-mulheres(2’02” / 481 Kb) - Passados sete anos de vigência da Lei Maria da Penha, a norma de punição mais rigorosa para a violência doméstica acumula quase 700 mil procedimentos judiciais contra agressores no país. Apesar de na teoria criar mecanismos para proteger as mulheres, na prática ainda tem dificuldades de aplicação efetiva.   

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) não tem um balanço atualizado da situação dessas ações. O levantamento mais recente disponibilizado pelo órgão é de 2009, quando dos 400 mil casos de denúncias registrados até aquele ano, 80% seguiram adiante na Justiça. Destes, 80 mil resultaram em sentenças definitivas, e as prisões representaram pouco mais de 2%.    

No início do mês, cerca de 1,6 mil mulheres, de 48 países, realizaram um encontro em São Paulo. No centro do debate estiveram assuntos como o combate ao machismo, ao racismo e à lesbofobia, além da autonomia sobre o corpo e auto-organização das mulheres.

Em relação à violência, em entrevista à Radioagência NP, a integrante da Sempreviva Organização Feminista (SOF) Sônia Coelho relatou que falta recursos dos municípios e dos estados para garantir a aplicação das leis.

“Tem quer ter política, sim, tem que ter recurso, sim, mas cada ente federativo tem que fazer a sua parte, porque a violência contra a mulher tem uma dimensão muito grande. Você precisa ter profissionais formados, capacitados, serviço organizado, equipamentos públicos.”

Segundo o Relatório Final da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito da Violência contra a Mulher (CPMI), entre 2000 e 2010, 43,7 mil mulheres foram assassinadas. Cerca de 40% delas perderam a vida em suas próprias casas, muitas vitimadas pelos companheiros ou ex-companheiros.  

De São Paulo, da Radioagência NP, Daniele Silveira.

23/09/13

Foto: Marcha mundial das Mulheres