Skip to Content

Postura dos médicos cubanos forçará Brasil a rever modelo de saúde

  • user warning: Table 'ranp3.scheduler' doesn't exist query: SELECT * FROM scheduler WHERE nid = 12116 in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/scheduler/scheduler.module on line 497.
  • warning: Parameter 2 to genericplayers_swftools_flashvars() expected to be a reference, value given in /data_cpro6462/ranp/public_html/includes/module.inc on line 476.
  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

“Importação” de médicos estrangeiros foi amplamente combatida por setores conservadores da classe médica. Reações preconceituosas revelaram perfil elitizado dos cursos nacionais de medicina.

 

Está faltando algum conteúdo do Flash que deveria aparecer aqui. Talvez seu navegador não possa exibi-lo. Instale a última versão do Flash em seu computador, ou atualize sua versão.

(5’47” / 1.3 Mb) - A imagem do médico cubano Juan Delgado sofrendo ofensas e recebendo vaias ao desembarcar na cidade de Fortaleza (CE), em agosto de 2013, foi um dos momentos mais marcantes do ano. Na cena clicada pelo repórter fotográfico Jarbas Oliveira, da Folha de S. Paulo, o médico negro é insultado por um grupo de médicas brasileiras, com características bem parecidas: jovens e brancas.

O lançamento do Programa Mais Médicos pelo governo federal, um mês antes, colocou em debate não só a situação da saúde pública no país, mas também a própria formação e atuação dos profissionais brasileiros. A política de “importação” de médicos estrangeiros foi amplamente combatida por setores conservadores da classe médica.

Perfil oposto ao da maioria dos estudantes de medicina no Brasil, Cíntia Santos Cunha, que faz o curso em Cuba, afirma que um dos motivos que a levaram a estudar no país caribenho foi a falta de oportunidades. Ela lamenta a realidade brasileira, na qual cursos de medicina são extremamente elitizados.

“Eu já desde muito nova queria fazer medicina. Acho que com 16 anos já queria fazer medicina. Só que medicina é um curso impensável para as pessoas de onde eu venho, para as pessoas como eu, negra, mulher, pobre. No Capão Redondo [zona sul paulistana] ninguém sonha em ser médico.”

Através de uma amiga já inserida no sistema educacional de Cuba, Cíntia pode conhecer as características do modelo de saúde daquele país, “de caráter mais humanitário”. O encantamento foi instantâneo e em pouco tempo chegava sua vez de embarcar.

Antes da vinda dos primeiros médicos cubanos ao Brasil, o Conselho Federal de Medicina (CFM) deu início a uma campanha que buscava colocar em dúvida a credibilidade dos profissionais que seriam contratados. De imediato, o órgão anunciou que o Programa Mais Médicos “desrespeita a legislação, fere os direitos humanos e coloca em risco a saúde dos brasileiros, especialmente os moradores das áreas mais pobres e distantes"

Sobre a postura do CFM, Cíntia avalia que a classe médica brasileira teme perder o controle sobre as vagas que estão desocupadas, o que permite a pressão por altos salários. Além disso, ela considera que o combate ao programa acontece por medo que o contato com os médicos cubanos desperte na população brasileira um novo entendimento da medicina.

“É o medo de que comece a mudar a mentalidade da população em relação ao que deve ser um médico e como deve ser o tratamento médico. Porque o que eu vejo tanto no atendimento que minha família recebe aqui no Brasil é que o paciente chega no consultório e o médico não olha para ele. O paciente diz o que já está sentindo, o médico sem olhar para a cara dele, muito menos tocar no paciente, dá alguma receita de medicamento ou manda fazer alguma análise diagnóstica complementar.”

Além de melhorar a infraestrutura dos hospitais e unidades de saúde, o Mais Médicos tem como objetivo levar médicos para as regiões mais carentes do país. O Ministério da Saúde estabeleceu como meta fechar o ano de 2013 com 6,6 mil médicos atuando no programa.

No mês de agosto, em entrevista ao repórter José Coutinho Júnior, a médica brasileira formada em Cuba Andreia Campigotto questionou o modo como as provas de revalidação do diploma são feitas. Segundo ela, os testes não refletem o nível de conhecimento de um médico recém-formado.

“Há um grande preconceito da categoria médica com os profissionais que se formam em outros países, o que é um entrave grande para a revalidação dos nossos diplomas. Acabam fazendo provas injustas. São provas que seriam de nível de especialistas, o que acaba refletindo numa desaprovação considerável dos estudantes que fazem essa prova de revalidação.”

Andreia revela que os estudantes de medicina da Universidade de São Paulo (USP), uma das mais tradicionais do Brasil, tiveram mau desempenho em uma prova do CFM. No entanto, o resultado foi ignorado por veículos da grande imprensa, que já estavam empenhados em uma campanha anticubanos.

“Uma prova para médico generalista, que não é aplicada para nós, uma prova muito mais fácil que a de revalidação dos diplomas, onde quase 50% dos estudantes reprovaram porque não sabiam tratar uma meningite bacteriana.”

Segundo o Ministério da Saúde, dos 400 médicos cubanos que chegaram na primeira etapa do acordo entre o órgão e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), todos já atuaram em outras missões internacionais, além de possuírem especialização em medicina familiar. Em relação à experiência, 84% deles têm mais de 16 anos de atuação.

Os médicos estrangeiros que participam do Mais Médicos atuam em postos indicados pelo programa e que não foram escolhidos por profissionais brasileiros. Na primeira chamada do programa, divulgada no início de agosto, apenas 6% dos médicos brasileiros que haviam se inscrito confirmaram a participação.

Recebido com simpatia pelos usuários do Sistema Único de Saúde, o Mais Médicos ainda está longe de resolver as demandas do setor. Entre os principais problemas da saúde pública no Brasil identificados pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), no final de 2010, estão a falta de médicos (58,1%), a demora em ser atendido (35,4%) e a dificuldade em conseguir consulta com especialista (33,8%). Os números foram obtidos em pesquisa de opinião realizada em unidades de saúde de todo o país.

De São Paulo, da Radioagência NP, Daniele Silveira.

26/12/13

Foto: Reprodução