Skip to Content

Polícia britânica começa a ser julgada por morte de brasileiro

  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

clique aqui para ouvir (1´09´´ / 271 Kb) - Dois anos depois da morte do brasileiro Jean Charles de Menezes em Londres, a polícia britânica começa a ser julgada. O brasileiro de 27 anos que trabalhava como eletricista na cidade, foi morto com oito tiros disparados pela polícia britânica. A polícia alegou ter confundido Jean com um terrorista. O julgamento que começou nesta segunda-feira (01) não terá prisões e nem punições individuais.

Em 2006 a procuradoria de Londres concluiu que não existiam provas suficientes para acusar individualmente os policiais que participavam da operação. Em caso de condenação, a polícia poderá ser multada. Diante do júri, a promotora do caso Clare Montgomery considerou a ação da polícia como um “erro chocante e catastrófico", apontando o fracasso da operação, ela também alegou “imensa falta de coordenação e desrespeito a ordens”.

A previsão é de que o julgamento seja concluído em dois meses. Entidades como a Organização Não-Governamental (ONG), Justiça Global, no Brasil, prometem enviar o caso ao tribunal internacional caso o resultado do julgamento não seja satisfatório.

De Brasília, da Radioagência NP, Gisele Barbieri

02/10/07