Skip to Content

Julgamento que envolve Jean Charles chega a uma nova fase

  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

Clique aqui para ouvir(1'30'' / 356 Kb) - O julgamento da polícia britânica que assassinou o brasileiro Jean Charles a tiros em julho de 2005, após tê-lo confundido com um terrorista no metrô da cidade de Londres, chega a uma nova etapa. A Polícia Metropolitana britânica foi considerada culpada nesta quarta-feira (31), não por matar o brasileiro e sim, por colocar em risco a segurança pública dos cidadãos de Londres.

A promotoria do caso chegou na decisão, por identificar 19 falhas da operação policial que resultou na morte de Jean. A polícia foi condenada a pagar multa de aproximadamente R$ 634 mil e mais R$ 1,4 milhão pelos custos do processo.

O julgamento ainda não conclui se a polícia britânica é ou não culpada pela morte do brasileiro.

A promotoria acusa a polícia de tentar denegrir a imagem de Jean para se inocentar, com argumentos de que o brasileiro agia de maneira agressiva e ameaçadora na hora em que foi abordado.

O médico britânico Kenneth Shorrock afirmou na última terça-feira (30) que um teste toxicológico realizado no corpo de Jean, apontou que o brasileiro tinha sinais de cocaína na urina, mas que a quantidade do entorpecente estava "abaixo dos níveis detectáveis".

De São Paulo, da Radioagência NP, Juliano Domingues.

01/11/07