Skip to Content

Reconhecimento de diploma de médicos formados em Cuba retrocede

  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

Clique aqui para ouvir(1´50´´/ 434 Kb) - Novas regras para o reconhecimento do diploma de médicos brasileiros formados em Cuba deverão ser estabelecidas. O governo de Cuba concordou em rever o Projeto de Lei 346/07, que viabilizava o reconhecimento. A decisão se deu em uma reunião realizada nesta quarta-feira (07) pela Comissão de Educação da Câmara dos Deputados. O assessor parlamentar, Napoleão Salles, afirma que o governo cubano poderá instituir a obrigatoriedade de um exame, além da análise da compatibilidade curricular que hoje é de 90%.

O Conselho Regional de Medicina é o principal opositor do projeto, pois defende que o mercado brasileiro seja destinado para os formados no Brasil. No entanto, a integrante da Associação dos Pais e Apoiadores dos Estudantes Brasileiros em Cuba (Apac), Maria Correia, afirma que se trata de uma questão coorporativista e que os médicos formados no Brasil, depois de formados preferem trabalhar nos grandes centros urbanos. Já os formados em Cuba devem vir para o Brasil para lidar com a carência de profissionais que existe no interior do país.

“Nós esperamos que os nossos estudantes, ao chegarem aqui, sejam capazes de assumir o que se comprometeram, que é trabalhar a medicina social, que não vai abandonar o camponês ou o cidadão que mora no interior do país”.

Em setembro do ano passado, a Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados decidiu considerar legítimo o diploma. No entanto, a aprovação teria de passar ainda por mais duas comissões antes de ir à votação na Câmara. Da maneira como estava acordado, não havia necessidade de se realizar um exame específico.

Agora o governo concordou em não incluir o projeto na pauta do plenário até setembro para permitir os ajustes no texto.

De São Paulo, da Radioagência NP, Juliano Domingues.

07/08/08

Mais sobre o assunto:

• Universidades do país irão auxiliar na revalidação de diplomas de medicina
• Médicos formados em Cuba podem ter diploma validado no Brasil