Skip to Content

Enquanto investiga a dívida externa, Equador suspende pagamento

  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

Clique aqui para ouvir(1'20'' / 316 Kb) - O Equador suspendeu o pagamento de mais de R$ 70 milhões de juros da dívida externa. O presidente do país, Rafael Correa, anunciou a medida em seu programa de rádio semanal, no último sábado (15). O pagamento ainda poderá ser feito até o dia 15 de dezembro, porém o governo irá esperar o resultado das investigações feitas pela comissão de auditoria da dívida externa equatoriana.

A comissão, criada em julho de 2007 para estudar como a dívida foi contraída, deverá apresentar seus resultados na próxima quinta-feira (20). A divulgação acontecerá no Centro Internacional de Estudos Superiores de Comunicação para a América Latina (Ciespal) e Correa conclamou a população a participar para “ver o que se fez com a dívida equatoriana”.

O presidente afirmou que esta é a primeira vez na história que um governo organiza uma auditoria da dívida externa e que os relatórios preliminares da comissão vêem confirmando as suspeitas de ilegalidades na negociação da dívida. Correa afirmou que os dados preliminares “são horrorosos” e que a formação da dívida serviu aos interesses de apenas “alguns negociadores”.

O governo do Equador já estuda formas de penalizar tanto equatorianos, como estrangeiros, que prejudicaram o país em negociações ilegais.

De São Paulo, da Radioagência NP, Vinicius Mansur.

17/11/08