Skip to Content

Barack Obama suspende julgamentos em Guantánamo

  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

Clique aqui para ouvir(1'14'' / 292 Kb) - O recém-empossado presidente dos EUA, Barack Obama, decidiu pela suspensão por 120 dias de todos os julgamentos dos suspeitos de terrorismo presos na base de Guantánamo, situada em Cuba. A medida foi acatada pelo juiz militar Patrick Parrish, nesta quarta-feira (21). O juiz é um dos dois responsáveis pelo julgamento dos prisioneiros. No entanto, a decisão deve ser acatada também pelo juiz Stephen Henley, hoje responsável pelo processo de cinco homens acusados pelos atentados de 11 de setembro.

A decisão foi comemorada pelos ministros de relações exteriores da União Européia e por integrantes de Organizações Não-Governamentais (ONG) de defesa dos direitos humanos. Estas ONG’s pedem que Guantánamo seja fechada e acusam o governo estadunidense de realizar prisões extra-judiciais e tortura no local.

Guantánamo era originalmente uma base militar dos Estados Unidos em Cuba. A mesma se transformou numa prisão, após os atentados terroristas de 11 de setembro. Hoje, ela abriga 245 pessoas acusadas de ligação com a Al Qaeda e a milícia Taleban.

De São Paulo, da Radioagência NP, Juliano Domingues.

21/01/09