Skip to Content

A crise e o mundo do trabalho

  • warning: Parameter 2 to genericplayers_swftools_flashvars() expected to be a reference, value given in /data_cpro6462/ranp/public_html/includes/module.inc on line 476.
  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

Está faltando algum conteúdo do Flash que deveria aparecer aqui. Talvez seu navegador não possa exibi-lo. Instale a última versão do Flash em seu computador, ou atualize sua versão.

Vivemos há séculos a dominação e hegemonia de um modo de produção particular, cuja base de sustentação de seu funcionamento é a propriedade privada e a exploração do trabalho. Em tempos de desenvolvimento acelerado e de expansão da produção capitalista, o aprisionamento do trabalho pelo capital fica menos visível.

Isto ocorre dada a aparente situação de melhoria das condições de vida de parte da classe trabalhadora diretamente envolvida no processo cotidiano de reprodução da sobrevivência. Mesmo que curtos, os salários dão a sensação de que poderia haver situação pior que a ora vivida.

Mas é com a crise que vem à tona a perversa situação de se lucrar ou se compensar a perda de lucratividade com uma maior e mais intensa exploração do trabalho.

A tão conhecida mais-valia apropriada pelas corporações em seu afã de privatizar, a partir de seu domínio, todo espaço que sua técnica alcançar.

Imersos na crise, dentro deste domínio global das corporações, ocorrem fragmentações do mundo do trabalho que podem ser percebidas concretamente nas seguintes características:

- Parte expressiva dos trabalhadores que possuíam seus trabalhos formais os perde;
- Outra parte, cada vez menor, que se mantém na formalidade é ainda mais precarizada e situada em uma constante situação de incerteza sobre seu amanhã;
- Os dois grupos anteriores juntos, vêem como o capital faz para a cada momento histórico, tanto aumentar o exercito dos que ficam na fila de espera para uma possível inclusão, quanto intensificar ainda mais a quantidade de sujeitos excluídos de fato. Sujeitos estes que ampliarão as trincheiras dos trabalhadores informais globais que atuam tanto na legitima legalidade, quanto na (i)legítima ilegalidade.

Segundo a OIT, são 212 milhões de desempregados mundiais. Parte expressiva da população – 1,5 bilhões – sobrevive em condições indignas de tentativa de reprodução de sua própria vida, enquanto partícipe de uma sociedade humana. Vale destacar o contingente de jovens desempregados que chegaram a 10,2 milhões.

Milton Santos em seu livro Por uma outra globalização, reitera que vivemos um paradoxo entre a fábula e a perversidade. A fábula nos remete a uma possibilidade de inclusão massiva, fora da realidade. Já a faceta real do global liderado pelo capital, a perversidade, nos remete à potência destrutiva do capital ao longo do seu desenvolvimento histórico.

Estamos diante do suposto desenvolvimento técnico informacional global em que o individuo atuante em territórios concretos, locais, começa a ser moralmente interpretado como cidadão global. Mesmo quando sua sobrevivência básica não esteja coberta.

O sujeito deixa de ser entendido fora de suas particularidades, numa padronização comum que reitera a tentativa onipotente de um afã de projeção sobre um pensar, ser, estar únicos no mundo globalizado.

Estamos vivendo um choque de realidade entre o discurso de participação cidadã global e a concreta criminalização, matança, invisibilidade no local dos atores concretos em seus territórios tanto de sobrevivência subordinada de seu trabalho (espaço de trabalho), quanto de reprodução da vida cotidiana (espaço da morada).

Nessa nova moral global, o trabalhador é propagandeado como um sujeito para além de sua pátria, mátria, e incluído como um número a mais no universo ou dos que têm ou dos que não têm espaço concreto de inclusão formal na atual realidade econômica.

Estamos nos referindo à típica sociedade do discurso imoral: aquela que projeta o falso como verdade, e esta como única e imbatível.

Mas a crise nos vincula com o real para além da fábula. Institui a verdade por mais que se tente ocultá-la através dos inúmeros meios massivos de projeção da falsa verdade dominante.

No desmascaramento da falsidade, o cidadão, sujeito ativo nos territórios em que se conecta cotidianamente com a produção da vida, é um sujeito particular, com práticas, sensações e sentidos ou distantes ou próximos de uma realização para além daquilo que projetam para ele como destino sem volta.

A perversidade global pode se transformar em potencialidade local, nacional e internacional, dadas as possibilidades atuais das técnicas que, se bem utilizadas pela classe que vive do trabalho, dão um salto qualitativo no quantitativo excludente do capital.

Para isto, é necessário revirar o tempo do destempo em tempo coletivo para uma produção comum. Isto requer um redimensionamento de algumas variáveis chaves, nos territórios, de uma reviravolta no que está de pernas para o ar, colocando os pés na terra. Entre tais reviravoltas se destacam:

- O tempo da formação frente ao redemoinho de informações soltas e sem sentido, que retoma a necessidade de saber ler o que se vive a partir de uma qualificação para transformar a falsificação do consenso em dissenso produtivo para si enquanto classe.

- O tempo da integração, frente ao isolamento e fragmentação vividos pela instituição do destempo numa sociedade que requer se reencontrar na realização para si dos desejos de produzir algo para além do mercantil;

- O tempo do encontro em meio à sociedade do desencontro despótico do ser, dada a tentativa de hegemonização do ter;

- O tempo da reconstrução dos espaços em uma dimensão solidária e coletiva de se produzir hoje o novo que se quer para todos.

- O tempo de um Estado nacional que encare o global a partir de uma esfera de integração dos povos e não das empresas, do uso coletivo e não do desenfreado sentido mercantil dado aos seres humanos, à natureza e aos demais seres.

- O tempo da retomada de um popular de classe, não populista, nem massivo quantitativo e sim politicamente engajado nos projetos para si a partir do protagonismo coletivo do que se projeta para ser executado.

- O tempo da realização do trabalho, fora do aprisionamento despótico do poder burguês sobre a vida como propriedade privada. O trabalho restituído em seu significado histórico de produção de vida e não de morte em vida como ora o tomamos, dado o controle dos poderes nas mãos de quem tem outra intencionalidade sobre o popular e sobre os territórios.

Talvez haja, para além da aparente desvantagem de estarmos imersos em uma crise, a possibilidade real de reinstituirmos no novo tempo histórico, outro projeto necessário local, nacional e internacional.

Um novo que ao ser histórico revalida uma das premissas centrais de revelação da perversa realidade encoberta pela fábula: começar, com os pés no chão, como diria Milton Santos, a rever “o sentido que tem as coisas, isto é, seu verdadeiro valor, é o fundamento da correta interpretação de tudo o que existe”.

(*) Economista, educadora popular e integrante da Consulta Popular do Espírito Santo.

17/02/10