Skip to Content

Transações externas se deterioram repetidamente

  • warning: Parameter 2 to genericplayers_swftools_flashvars() expected to be a reference, value given in /data_cpro6462/ranp/public_html/includes/module.inc on line 476.
  • strict warning: Non-static method view::load() should not be called statically in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/views.module on line 906.
  • strict warning: Declaration of views_handler_argument::init() should be compatible with views_handler::init(&$view, $options) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/handlers/views_handler_argument.inc on line 744.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_validate() should be compatible with views_plugin::options_validate(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.
  • strict warning: Declaration of views_plugin_row::options_submit() should be compatible with views_plugin::options_submit(&$form, &$form_state) in /data_cpro6462/ranp/public_html/sites/all/modules/views/plugins/views_plugin_row.inc on line 134.

Está faltando algum conteúdo do Flash que deveria aparecer aqui. Talvez seu navegador não possa exibi-lo. Instale a última versão do Flash em seu computador, ou atualize sua versão.

Guilherme Delgado*

(7'23' / 1,69 Mb) - As transações brasileiras com o exterior em 2010 serão deficitárias novamente e em maior proporção  -  esta é a previsão do Banco Central para um déficit em conta corrente do dobro daquilo que fora em 2009, estimado agora para US$ 50 bilhões. Este resultado poderá ainda ser mais negativo, se houver crescimento econômico maior que o previsto (ao redor de 5,5% ao ano – a.a .)

Deve-se recordar que este é o terceiro ano consecutivo de “déficits” externos ( US$ 28,2 bilhões em 2008, US$ 24,3 em 2009 e projetados  US$ 50 para 2010), depois de cinco anos de aparente equação da o desequilíbrio externo (2003-2007), quando o país se lançou em uma  estratégia de forte “primarização” do seu comércio externo e também experimentou  retorno dos fluxos de capital estrangeiro, abalados depois da grave crise cambial de 1999.

De agora para frente à situação requer enfrentamento algo diferente do padrão que temos seguido no passado recente. O governo Fernando Henrique Cardoso (1995/1999) promoveu uma verdadeira farra cambial; provocou déficits cumulativos e crescentes nas contas externas durante todo o primeiro mandato, sustentados por ingresso de capital estrangeiro de curto prazo e pela privatização de ativos estatais. Não escapou em início de 1999 de uma grave crise cambial, que deixou o país por quatro anos de ‘pires na mão’, solicitando sucessivos empréstimos ao Fundo Monetário Internacional. Tudo isto se deu em um clima de euforia eleitoral, tanto assim que o presidente Fernando Henrique Cardoso se reelegeu em outubro de1998, ainda no primeiro turno.

Atualmente, ocorre uma aparente repetição desse passado recente naquilo que se refere ao desequilíbrio externo, sem que a opinião pública e setores influentes das mídias, do empresariado e da burocracia estejam alertados e prevenidos para as consequências da continuidade e agravamento do déficit externo.

“Deficits” continuados e crescentes nas conta externas não são sustentáveis. O mecanismo compensatório  de contrair dívidas externas ou atrair capital externo para solvê-lo,  cobra um preço muito alto em dependência externa. A história  recente do país mostra que  essas situações  se encerram com graves crises  de insolvência cambial (ver 1982 e 1999), com consequência graves  de estagnação econômica.

Reservas internacionais “altas”, de que tanto se jactam nossos dirigentes econômicos, diga-se de passagem, formadas devido aos elevados fluxos recentes de capital estrangeiro, não são antídoto adequado em face de deterioração continuada dos fluxos comerciais e de serviços, que praticamente explicam 90%  das transações externas.

A solução conservadora de fomentar a qualquer custo as exportações primárias, experimentada com relativo sucesso entre 2000-2007 não resolve o desequilíbrio estrutural das contas externas. Estas estão contaminadas por um gigantesco déficit de Serviços cujo principal componente é precisamente o serviço de remuneração do capital estrangeiro, que tem afluído mais intensamente no último quinquênio.

Há tempo, embora não muito largo, para soluções inovadoras. Não será no atual governo cujos dirigentes estiveram essencialmente comprometidos com a prática da inserção primário-exportadora e com a máxima abertura ao capital estrangeiro. Tampouco os dirigentes econômicos dos governos FHC I e FHC II têm lições sábias de política cambial a oferecer.

A experiência histórica ensina que confiar na “mão invisível” dos mercados face à continuada deterioração das transações externas, conduz a graves crises de insolvência cambial, das quais apenas alguns bandidos escapam ilesos e ainda mais ricos. O país como um todo afunda em tais situações.

Infelizmente não há na opinião publica consciência da gravidade da situação, conformada que está sobre uma pretensa superação da dependência externa. Por sua vez, o tratamento ultra cifrado das questões cambiais pelo lado estritamente técnico e conjuntural não ajuda a esclarecer sobre a necessidade de um projeto alternativo de relacionamento financeiro com exterior. Fica por ora o alerta para futuros questionamentos.

(*) Economista e pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

15/04/10