Como escrever e otimizar o “Título” dos seus artigos

A evolução da Internet e a crescente importância do Google e de outros motores de busca obrigam-nos a pensar em dois “títulos” diferentes sempre que escrevemos um artigo para publicar no nosso site ou blog. Cada um destes dois elementos tem as suas próprias regras, tanto para o nosso público-alvo como para obter resultados eficazes nos motores de busca.

Apesar de tudo o que é dito –e escrito– sobre o valor de escrever bons títulos para nossas publicações e –não menos importante– sobre a importância das “metatags” para alcançar uma boa posição no Google, é surpreendente a pouca atenção dada a essas questões “na vida real”.

Já discuti em artigos anteriores como fiquei surpreso quando comecei a oferecer diagnósticos de sites gratuitos . Dos 100 principais sites que analisei, apenas dois tinham as metatags mais básicas devidamente desenvolvidas e otimizadas. O resto tinha – na melhor das hipóteses – metatags “Título” e “Descrição” mal implementadas ou mal otimizadas.

Visite: webtrends.net.br/consultoria-seo

Os segredos ocultos do título e da metatag “título”

Quer o site da sua empresa esteja online há algum tempo, ou você esteja pensando em redesenhá-lo, existem alguns “segredos” que você deve saber, e dedicar o tempo que eles merecem.

1) O título define quantos leitores você atrairá e quantos perderá. De fato, é a primeira coisa que seu público-alvo verá (seja quando você anunciar nas redes sociais, ou quando eles chegarem ao site do Google, ou por qualquer meio). Para seduzir seus clientes em potencial, você deve conseguir duas coisas com o título do seu artigo: que eles vejam que o assunto é assunto deles e que o achem interessante.

De nada serve um título criativo e marcante se não diz claramente do que se trata e quem deveria estar interessado em lê-lo. Parece simples, mas conseguir tudo isso em uma média de dez palavras é um grande desafio. O tempo investido em um bom título é um excelente investimento. Trago sempre a mesma reflexão neste momento: você vai perder as duas horas que levou para escrever o artigo não dedicando mais dez minutos ao título?

2) A tag “H1”, o que TODOS deveriam saber sobre HTML . Você não precisa saber a linguagem HTML para ter um site. É para isso que servem os web designers. Mas você fará bem em saber que o Google não é tão inteligente quanto muitos acreditam. E ele não sabe que aquela linha de texto que você demorou muito para escrever é o título do seu artigo. A menos que seu web designer o coloque entre as tags “H1” e “/H1”.

De fato, quando se trata de obter uma boa otimização do nosso site, o Google dá muita importância ao conteúdo que está destacado com essa tag, justamente porque nós, como editores do site, estamos indicando que esse é o título. Então, a propósito, faremos um excelente uso desse título se, além de seduzir nosso público-alvo, ajudarmos o Google a entender qual é o tem” do nosso artigo. Em outras palavras, inclua aí as palavras-chave (palavras-chave) pelas quais esperamos que nosso público-alvo encontre esse artigo. Mas sem abusar, porque o Google também pode nos “sancionar” se acreditar que estamos tentando enganá-lo incluindo palavras-chave que realmente não refletem o conteúdo do artigo. Então, adicione este último ao desafio de escrever um bom título.

Como escrever e otimizar o “Título” dos seus artigos

Não deixe suas metatags de “título” nas mãos do Google

3) O “Título” não é o mesmo que a metatag “Título”. Agora você já sabe o que é uma tag “H1” e pode impressionar seu web designer “exigindo” que ele coloque todos os títulos com essa tag. (Aviso: não peça para ele colocar “H1” em todos os textos do site, pois ele não vai te levar a sério, e sim vai acreditar que você realmente não sabe de nada.) Diferente da tag “H1”, originalmente Com o objetivo de diferenciar esteticamente o título principal de um artigo, voltado para os usuários do site, a metatag Título foi inventada para informar aos mecanismos de busca (Google, entre outros) qual é o título -e o tema- de cada página que compõe um site.

Essa metatag está [apenas parcialmente] oculta para usuários e visitantes do site, mas não é menos importante por isso. Embora o Google esteja evoluindo e cada vez menos dependa de nossas metatags para interpretar o conteúdo de uma página web, não devemos negligenciá-lo.

Conheça: webtrends.net.br/comprar-backlinks

De certa forma, podemos dizer que tudo o que dissemos sobre uma boa redação para nossos títulos se aplica igualmente à metatag “Título”. Mas algumas distinções e observações podem ser feitas.

Essa meta tag não é apenas – como alguns acreditam – um espaço para preencher com “palavras-chave”. Na verdade, como dissemos, o Google está cada vez mais esperto, e acaba “sancionando” sites que tentam “enganá-lo” (considera-o outra forma de “spam”). Sim, inclua alguma outra “palavra-chave”, mas sem abusar dela.

Uma observação importante é observar que o comprimento máximo dessa metatag é de 60 caracteres. E a razão disso nos leva a outro aspecto de suma importância. O conteúdo dessa metatag é o que o Google (e outros mecanismos de busca) “retorna” na primeira linha dos resultados das buscas que os usuários fazem nelas. É por isso que dissemos que essa metatag está “apenas parcialmente” oculta aos usuários.

Se não completarmos esta metatag, ou o fizermos de forma deficiente ou ineficiente, o Google irá substituí-la por conteúdo “construído” com base em seus algoritmos. Em outras palavras, se não acertarmos, um robô literalmente fará isso por nós.

Outra forma de entender isso é ver que a metatag “Título” é uma oportunidade de anunciar gratuitamente, escrevendo a “mensagem” que queremos que os usuários do Google vejam quando fizerem suas buscas. Deixá-lo nas mãos do Google é arriscar que ele diga algo mais “pobre” do que poderíamos fazer se nos dermos ao trabalho de fazê-lo bem e dedicar o tempo necessário.

Como escrever e otimizar o “Título” dos seus artigos

Distinção chave: “site” e “página da web” não são intercambiáveis

Não quero terminar este artigo sem notar essa distinção. Constantemente vejo que a maioria das pessoas confunde e usa as expressões “site” e “página da web” de forma intercambiável. Como um livro ou publicação, um site pode ter muitas “páginas”. É uma distinção fundamental no que diz respeito ao assunto deste artigo. Tanto o título, a tag “H1”, a metatag “Título”, bem como todos os elementos que compõem uma página, se aplicam a cada uma das páginas do site.

É um trabalho que temos que fazer para cada uma das páginas do nosso site. Já vi até web designers definirem um “combo” de meta tags (Título, Descrição, etc.) e simplesmente “copiar/colar” em todas as páginas do site. É uma maneira muito “fácil” de fazer isso, mas uma das práticas mais ineficazes quando se trata de um projeto de web design.

Visite: https://webtrends.net.br/agencia-de-link-building/ 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.